23 julho, 2017

Francisco apela à moderação e ao diálogo em Jesrusalém


(RV) Hoje, domingo, dia 23 de Julho de 2017, às 12 horas de Roma, o Papa Francisco procedeu a habitual recitação mariana do Ângelus na Praça de S. Pedro repleta de fiéis e peregrinos provenientes das diversas partes da Itália e do mundo inteiro justamente para assistir à esta cerimónia mariana.

A página evangélica de hoje, disse Francisco, propõe três parábolas através das quais Jesus fala às multidões sobre o Reino dos céus. De entre estas três parábolas, o Papa concentra a sua atenção apenas na primeira parábola: a parábola do trigo bom e do joio que, segundo o Santo Padre, ilustra o problema do mal no mundo e põe em evidência a paciência de Deus. A narração se desenvolve num campo com dois protagonistas opostos. Duma parte, observa o Papa, está o patrão do campo que representa Deus e semeia a boa semente; doutra parte o inimigo que representa o Satanás e espalha, semeia a erva daninha.

Com o decorrer do tempo no meio do trigo cresceu também o joio e diante deste facto o patrão e os seus servos manifestam atitudes diferentes. Os servos gostariam de intervir e cortar o joio, a zizânia, mas o patrão que está principalmente preocupado com a salvação do trigo se opõe à esta iniciativa dizendo: <>. Com esta imagem, disse o Santo Padre, Jesus nos diz que neste mundo o bem e o mal são também interligados, que é impossível separar-lhes e arrancar todo o mal. Só Deus pode fazer isso e o fará no juízo final, no fim dos tempos.

Com a sua ambiguidade e o seu carácter compósito, a situação presente é o campo da liberdade dos cristãos, na qual se realiza o difícil exercício do discernimento. Trata-se portanto de unir com grande fé em Deus e na sua providência, duas atitudes aparentemente contraditórias: a decisão e a paciência. A decisão consiste em querer ser um bom grão de trigo, com todas as próprias forças e portanto distanciar-se do maligno e das suas seduções. A paciência significa preferir a Igreja que é fermento na pasta, que não teme de sujar as mãos lavando os panos dos seus filhos, em vez de ser uma Igreja dos “puros” que pretende julgar antecipadamente quem está e quem não está presente no Reino de Deus.

O Senhor, que é a Sapiência encarnada, ajuda-nos hoje a compreender, acrescentou Francisco, que o bem e o mal não podem ser identificados em territórios definidos ou em determinados grupos humanos. Ele nos diz que a linha de confim entre o bem e o mal passa no coração de cada pessoa humana. Somos todos pecadores, recordou ainda o Santo Padre, que dirigindo-se aos presentes na Praça de S. Pedro, pediu que levante a mão quem achar que não seja pecador! Ninguém! Todos portanto, somos pecadores observou o Pontífice.
Jesus com a sua morte na cruz e a sua ressurreição, libertou-nos da escravidão do pecado e nos dá a graça de caminhar numa vida nova; mas com o Baptismo nos deu também a Confissão, porque temos sempre necessidade de ser perdoados pelos nossos pecados. Olhar sempre e exclusivamente o mal que está fora de nós significa não querer reconhecer o pecado que existe também em nós.

Por outro lado, concluiu dizendo Francisco, Jesus ensina-nos uma maneira diversa de olhar o mundo, de observar a realidade. Somos por isso chamados a aprender os tempos de Deus e também do seu olhar: graças à influência benéfica de uma trepidante espera, aquilo que era joio ou parecia tal, pode transformar-se num produto bom. É a perspectiva da esperança.

Que a Virgem Maria nos ajude a colher na realidade que nos circunda não só a sujeira e o mal, mas também o bem e o belo, a desmascarar a obra do Satanás, mas sobretudo, a confiar na acção de Deus que fecunda a história.

Após a recitação Mariana do Ângelus, o Santo Padre partilhou com os fiéis e peregrinos presentes na Praça de S. Pedro as suas preocupações relativa a violência perpetrada nestes dias em Jerusalém. Sinto a necessidade, disse Francisco, de exprimir um vibrante apelo à moderação e ao diálogo e convido todos a unirem-se a mim na oração para que o espírito do Senhor infunda em todos propósitos de reconciliação e de paz.

Em seguida o Papa saudou todos os presentes , de modo particular, disse aos fiéis de Roma e peregrinos provenientes de várias partes do mundo: as famílias, os grupos paroquiais, as associações. Uma saudação especial também aos fiéis de Munster (Irlanda); às Irmãs Franciscanas Elisabettine Bigie; ao grupo coral sinfónico de Enna; aos jovens de Casamassima que desempenham um serviço de voluntariado na cidade de Roma; aos jovens adolescentes participantes do “Cantiere Hombre Mundo” empenhados a testemunhar a alegria do Evangelho nas periferias mais difíceis nos vários continentes do mundo inteiro.

Finalmente, à todos o Papa augurou um bom domingo, exortando-os que não se esqueçam de rezar por Ele.

20 julho, 2017

Abusos Regensburg. Pe. Zollner: Igreja esclareceu realidade dolorosa



(RV) O advogado Ulrich Weber apresentou à imprensa, nesta quarta-feira (19/07), os resultados do relatório sobre os casos de abusos perpetrados contra estudantes, durante décadas, na escola do Coral da Catedral de Regensburg, frequentada por pequenos cantores.



Weber foi encarregado pela diocese alemã de esclarecer o escândalo de abusos cometidos desde 1945 ao início dos anos 90.

Quinhentas e quarenta e sete vítimas contaram ter sofrido violências físicas e psicológicas, das quais 67 sofreram também abuso sexual.

O relatório identificou 49 pessoas responsáveis por maus-tratos corporais, das quais 9 teriam cometido abusos sexuais. Trata-se de sacerdotes e professores.

As primeiras denúncias públicas começaram a ser feitas em 2010, muito tempo depois dos delitos para que os culpados possam ser hoje levados à justiça. Os crimes teriam de fato caducado. Mas permanece a dor das crianças de então, que hoje adultas descreveram a escola como “uma prisão, um inferno, um campo de concentração” e falaram dos anos transcorridos naquela estrutura “como os piores de suas vidas, marcados pelo medo, violência e falta de ajuda”. Para cada uma delas a diocese estabeleceu uma indenização de 20 mil euros.

O relatório chama em causa o Mons. Georg Ratzinger, irmão de Bento XVI, diretor do Coral durante 30 anos, e o Cardeal Gerhard Ludwig Müller, Bispo de Regensburg em 2010. O primeiro não teria dado atenção aos sinais de perigo de abusos e o segundo não teria reagido com decisão ao escândalo.

O presidente do Centro para a proteção de menores da Pontifícia Universidade Gregoriana, Pe. Hans Zollner, teólogo e psicólogo jesuíta alemão, natural de Regensburg, expressa satisfação sobre como foi tratado este escândalo hoje, à luz do sol e sem medo da verdade:

Zollner: “Sim, foi o desejo do bispo da cidade de Regensburg, minha cidade natal, que deu a tarefa a um advogado ao qual ofereceu todas as possibilidades não somente de consultar os arquivos, mas também de contatar as vítimas e falar com outras pessoas envolvidas. Portanto, foi a coragem do bispo que iluminou uma escuridão muito profunda.”
O advogado Weber desempenhou este trabalho com grande rigor e seriedade de independência
Zollner: “Ele tinha todos os instrumentos para investigar, tinha as mãos livres e trabalhou com rigor, com uma comissão de conselheiros científicos. Portanto, produziu realmente um relatório muito bem feito e irrepreensível em sua vastidão, profundidade e ciência.”

Esse relatório marca uma mudança na maneira de enfrentar o mal quando se insinua também dentro da Igreja

Zollner: “Obviamente, temos de fazer isso, devemos encarar a realidade e devemos enfrentar todas as injustiças, os pecados, os crimes que são cometidos por parte de sacerdotes e também por funcionários da Igreja. Por exemplo, no caso de Regensburg, haviam muitos professores leigos dentro da escola que abusaram dos menores com violência física e também sexual”.

O advogado Weber aponta o dedo também para as responsabilidades dos pais que não deram a atenção justa e importância às histórias dos filhos e aponta também o dedo contra as autoridades do Estado que foram superficiais nas inspeções escolares, não tutelando a infância.

Zollner: “Sim, mas os pais tinham também o grande orgulho de enviar seus filhos e essa escola prestigiosa, para que se tornasse grandes músicos e pudessem andar pelo mundo. Para nós em Regensburg essa escola era considerada realmente uma estrela e ter um filho ali e formá-lo lá era orgulho para a família. Depois, o Estado, certo, os departamentos de superintendência para a educação e a escola. Devemos dizer que fecharam os olhos, os ouvidos e não fizeram o seu dever. É também difícil julgar como pensamos hoje a questão, porque naquela época provavelmente algumas dessas pessoas consideravam um fato normal que se batesse nas crianças, embora esse não fosse o costume desde o fim dos anos 60 e início dos anos 70. Lembro-me que na minha escola primária havia dois garotos que me contavam que desde crianças apanhavam naquela escola. Eu pensei que os seus pais soubessem. Não havia ainda a sensibilidade necessária e suficiente para se pronunciar publicamente para denunciar o fato e seguir as leis. Certamente, esses crimes, naquela época, teriam sido incriminados.”

Como o senhor considera essa publicidade que se fez apresentando o relatório diretamente à imprensa?

Zollner: “Esse é um passo muito importante também para a conscientização de toda a sociedade e todas as instituições seja da Igreja seja fora da Igreja, pois numa instituição é possível fazer muitas coisas para prevenir o abuso. Por exemplo, na escolha de professores e outros funcionários, na educação e formação dessas pessoas que trabalham com os garotos: que sejam pessoas saudáveis, equilibradas e saibam o que é a transgressão de suas competências e a transgressão em termos de violência que não são somente inadmissíveis, mas também crimes.”

(MJ)

19 julho, 2017

Papa: rezemos pelas vítimas das máfias, lutemos contra a corrupção



(RV) O Papa Francisco publicou um tweet nesta quarta-feira (19), somente em língua italiana, em virtude dos 25 anos do assassinato do juiz Paolo Borsellino e dos seus cinco agentes de segurança, vítimas da máfia em Palermo, na Itália. Diz a mensagem de Francisco publicada na conta @Pontifex: “Rezemos por todas as vítimas das máfias, peçamos a força para seguir em frente, para continuar a lutar contra a corrupção”.



O crime aconteceu em 19 de julho de 1992, mas, 57 dias antes, foram também assassinados o seu amigo, a sua mulher e mais três homens da segurança.

O tweet do Papa reforça uma série de iniciativas no país para renovar o compromisso na luta e na defesa da legalidade e da justiça. No Senado italiano, o presidente Pietro Grasso pediu um minuto de silêncio em memória à coerência e ao sentido de dever do juiz assassinado que, num “domingo qualquer de verão” se transformou, num instante, “numa ferida que nunca poderemos curar”.

Já o presidente da Itália, Sergio Mattarella, reafirmou que a “máfia não é um mal incontestável, mas um fenômeno criminal que pode ser derrotado”. Mattarella falou de um país que vive dias de reconhecimento ao juiz Borsellino e a homens como ele, capazes de promover uma sociedade sana e virtuosa e com um método eficiente de trabalho que definiu como “patrimônio precioso” contra a criminalidade.

O Pe. Luigi Ciotti, presidente de “Libera”, uma entidade italiana de promoção da legalidade e da justiça, pediu coragem por parte das instituições para aprofundar a leitura judiciária dos fatos e as responsabilidades políticas. E advertiu: “hoje, mais do que nunca, é preciso que os homens das instituições falem, dando a sua contribuição em busca da verdade”. (AC)

Santa Sé: fiéis sejam alma e consciência do desenvolvimento sustentável



Nova Iorque (RV) - A maior contribuição que os fiéis podem dar para implementar a Agenda 2030 para o desenvolvimento sustentável consiste em continuar comprometidos com a diminuição da pobreza, a tutela do ambiente e a construção da paz.



Foi o que afirmou o observador permanente da Santa Sé junto à Organização das Nações Unidas, Dom Bernardito Auza, em pronunciamento esta segunda-feira (17/07) na sede da Onu, em Nova Iorque, sobre o tema “Mobilizar as comunidades religiosas a agir com solidariedade e responsabilidade partilhada para dar fim à pobreza e promover a paz”.

Valores éticos estão na base de um verdadeiro desenvolvimento

O serviço das comunidades religiosas tornar-se-á desse modo fermento para promover um desenvolvimento sustentável, explicou o núncio apostólico.

Se perdermos as coordenadas humanas fundamentais, corremos o grave risco de que os objetivos de desenvolvimento sustentável possam ser considerados somente de modo parcial. Desse modo corre-se o risco, em particular, de privilegiar aspectos econômicos e sociológicos e não seu contexto ético e antropológico, acrescentou Dom Auza.

Por isso, é essencial para os líderes religiosos, as comunidades e os fiéis contribuir para alimentar, com coragem e perseverança, “a alma” e a “consciência” em prol de um desenvolvimento autenticamente sustentável.

Deve-se evitar a instrumentalização da religião

Numa época como a atual marcada pelo relativismo é também urgente ajudar as pessoas a colher o verdadeiro sentido do bem e do belo. Ademais, disse ainda o arcebispo filipino, devem ser corrigidas aquelas ações voltadas a instrumentalizar a religião para fins incompatíveis com sua verdadeira essência.

Em particular, deve-se impedir o incitamento à violência que pode levar a praticar crimes e  atrocidades. Fiéis e comunidades religiosas devem permanecer a alma e a consciência para promover o desenvolvimento sustentável.

O desenvolvimento seja responsável

Os líderes religiosos não são líderes políticos ou especialistas. Não são chamados a medir objetivos e indicadores científicos, mas a dar as razões da esperança, a favorecer o diálogo. A verdadeira prioridade é promover o desenvolvimento humano integral de toda pessoa, afirmou o representante vaticano.
Os líderes religiosos e os fiéis devem se comprometer a proteger a vida para defender os mais fracos e os oprimidos. Além disso, devem ajudar as populações a desenvolver seus recursos naturais de modo responsável, a protegê-los de explorações econômicas e de interesses políticos.

É preciso abordagem integral

Como escreveu o Papa Francisco na Carta encíclica Laudato si, “as diretrizes para a solução exigem uma abordagem integral para combater a pobreza, para restituir a dignidade aos excluídos e, ao mesmo tempo, para cuidar da natureza”, recordou por fim o prelado.

Os indicadores mais importantes para o desenvolvimento sustentável não são quantitativos, mas qualitativos, e dizem respeito aos valores éticos. Valores contrários à cultura do descarte, concluiu Dom Auza. (RL/AL).